Entendendo melhor o Simples Nacional


Entenda sobre o funcionamento do Simples Nacional como regime de facilidade tributária para as Micro e Pequenas Empresas



O Simples Nacional é um regime de tributação com uma menor carga, com uma redução expressiva do imposto a ser recolhido em relação aos demais regimes. Apresenta um ambiente de maior facilidade pois possui um atendimento célere.

No ano de 2020, foram abertas mais de 620 mil micros e pequenas empresas no Brasil, muito em decorrência de um sistema de facilidade tributária, possibilitando uma menor carga tributária e simplicidade na arrecadação de tributos.


Empresas podem aderir ao Simples Nacional através do Portal do Simples Nacional. Após constituir a empresa, a mesma possui o prazo de 180 dias para aderir e um prazo de 30 dias para inscrição estadual e municipal.


Leia também: "Simples Nacional é sempre a melhor opção?"


Logo, o Simples Nacional é o regime de tributação utilizado pelas micro e pequenas empresas que possuem faturamento de até R$ 4,8 milhões de reais anuais.

Para optar por esse regime, os solicitantes não podem:

  1. Estar com débitos com o INSS;

  2. Estar com irregularidade nos cadastros fiscais;

  3. Ter sócios no exterior;

  4. Possuir capital em órgãos públicos;

  5. Possuírem empresas que prestam serviços de transporte, exceto serviços de transporte fluvial;

  6. Aquelas empresas importadoras de combustíveis;

  7. Aquelas empresas que não fabricam veículos;

  8. Aqueles que não distribuem ou geram energia elétrica;

  9. Empresas que não realizam locação de imóveis próprios e nem trabalham com loteamento e incorporação de imóveis;

  10. Empresa que não atua com cessão ou locação de mão de obra;

  11. Por fim, empresas que não produzem ou vendem no atacado cigarros e assemelhados, armas de fogo, refrigerantes e bebidas alcóolicas (exceto pequenos produtores).

Leia também: “Benefícios e desvantagens do regime do lucro real”


Essa modalidade ainda possui algumas proteções relativas aos benefícios quanto ao protesto de títulos. Também não é obrigatória a utilização de certificado digital. Por fim, talvez a maior vantagem de todas, a unicidade do recolhimento dos tributos. Optado pelo regime do Simples Nacional, os tributos são recolhidos de forma unificada através do Documento de Arrecadação do Simples Nacional – DAS – abrangendo a incidência de oito tributos.


São eles:

Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ);


Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL);


● Contribuição para o Programa de Integração e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PIS/Pasep);


Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS);

● Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS);


Imposto Sobre Serviços (ISS) e Contribuição para a Seguridade Social destinada à Previdência Social a cargo da pessoa jurídica (CPP).



Quais motivos ensejam a exclusão da empresa do regime do Simples Nacional?

Isso ocorre quando o faturamento ultrapassa o limite de R$ 4,8 milhões para as Empresas de Pequeno Porte e R$ 360 mil para as Micro Empresas. Quando esse valor é inferior a 20%, a empresa é desenquadrada a partir de janeiro do ano seguinte. Já quando esse valor ultrapassa os 20%, a empresa é desenquadrada no mês seguinte à ocorrência.


Leia também: "Benefícios e desvantagens do regime do lucro real"


A exclusão também pode ocorrer quando for incluída no ramo de atuação da empresa atividades impeditivas, havendo o desenquadramento no mês seguinte à inclusão de tal atividade. Também ocorre com a adição de sócio Pessoa Jurídica no quadro societário da empresa, em que a mesma é excluída já no mês seguinte à adição desse tipo de sócio. E, por fim, com a constituição de dívidas perante ao INSS, a exclusão se dá no mês seguinte.


Portanto, o regime do Simples Nacional se constitui como um relevante modelo de gestão tributária da empresa, na qual se tem um ambiente de maior facilidade e de menos burocracia, em especial para as empresas de Pequeno Porte e das Microempresas, sendo uma efetiva ferramenta para um planejamento tributário eficiente.


Mauricio Gomes Borba

OAB/RS 91.220

29 visualizações